Brasil tem agulhas e seringas para iniciar vacinação, afirma Pazuello

Governo espera iniciar vacinação em janeiro

Governo espera iniciar vacinação em janeiro
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quarta-feira (6), em pronunciamento na cadeia de rádio e televisão, que o Brasil já conta com 60 milhões de agulhas e seringas para iniciar a vacinação contra a covid-19 já neste mês de janeiro.

Ele contou que há ainda a garantia da Organização Pan-Americana de Saúde de que o Brasil receberá mais 8 milhões de agulhas e seringas em fevereiro, além de 30 milhões de produtos solicitados para a Abimo (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos).

A fala de Pazuello surge em meio à dificuldade para garantir seringas e agulhas para imunizar a população. Após restringir a exportação dos materiais, o governo agora zerou o imposto de importação dos itens

Leia mais: Fiocruz deve pedir uso emergencial da vacina de Oxford até sexta-feira

De acordo com Pazuello, o ministerio “esta preparado” para executar o palano operacional de vacinação contra  covid-19. A previsão feita pelo ministro no fim de dezembro era de iniciar a imunização contra a doença respiratória causada pelo novo coronavírus entre o fim de janeiro e início de fevereiro.

“O Ministério da Saúde está preparado e estruturado, em termos financeiros, organizacionais e logísticos, para executar o plano nacional e operacional de vacinação contra a covid-19”’, afirmou ele, Pazuello reforçou ainda que o Brasil já tem 354 milhões de doses de vacinas asseguradas para 2021.

Do número citado, 254 milhões de doses são da parceria entre a Fiocruz e o laboratório AstraZeneca e as outras 100 milhões produzidas pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac. Ele contou ainda que há negociação com os laboratórios Gamaleia, da Rússia, Janssen, Pfizer e Moderna, dos Estados Unidos, e Biotech, da Índia. 

“O Brasil é o único país da América Latina que tem três laboratórios produzindo vacinas. Ou seja, seremos também exportadores de vacina para a nossa região muito em breve”, avaliou o ministro da Saúde.

“Asseguro que todos Estados e municípios receberão a vacina de forma simultânea, igualitária e proporcional a sua população. No que depender do Ministério da Saúde e do presidente da República, a vacina será gratuita e não obrigatória”, disse.

O ministro também aproveitou o pronunciamento para se solidarizar com as famílias das quase 200 mil vítimas da covid-19 no Brasil e agradecer a todos profissionais de saúde que atuam em território nacional.

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp