Dezembro 4, 2020

China volta a detectar coronavírus em carne congelada brasileira

Não é a primeira vez que produtos da América Latina testam positivo

Não é a primeira vez que produtos da América Latina testam positivo
EFE/EPA/MIGUEL CANDELA

A China detectou novamente o coronavírus nas embalagens de peixes congelados do Equador e na carne de porco congelada importada do Brasil, informou a mídia local neste domingo (1º).

As autoridades chinesas decidiram suspender a importação da empresa equatoriana Firexpa, depois que vestígios do covid-19 foram encontrados nas embalagens de um lote de pescado congelado, informou a Administração Geral das Alfândegas.

Leia também: Coronavírus em alimentos representa risco à saúde?

A suspensão terá efeito por uma semana, de acordo com o comunicado da alfândega, que foi publicado ontem à noite em seu site.

Depois dos diversos casos detectados na China nos últimos meses, principalmente em alimentos congelados da América Latina, a China indicou que suspenderá por uma semana as importações dos produtos com resultado positivo para coronavírus — e por um mês se for a terceira vez ou mais.

A embalagem de um lote de carne suína congelada importada do Brasil também apresentou resultado positivo para covid-19 realizado na última quinta-feira na cidade de Yantai, na província chinesa de Shandong, informou o jornal oficial Global Times.

O lote foi encontrado em uma churrascaria e mercado de peixes em Yantai

O Escritório de Prevenção e Controle do Coronavírus local disse que os residentes da cidade que visitaram os dois lugares devem informar suas comunidades residenciais e observar atentamente suas condições de saúde.

O departamento de saúde rastreará todos os contatos próximos relacionados a esses produtos suínos brasileiros, que não foram relatados pela empresa fornecedora, e os testará para covid-19 em hospitais designados.

Leia também: China detecta coronavírus em carne de frango importada do Brasil

Já foram rastreados 1.475 embalagens de carne suína, pesando 27 toneladas, desde quinta-feira, segundo o diário oficial, que acrescenta que 3.097 amostras coletadas de contatos próximos, produtos, embalagens e ambientes próximos tiveram resultado negativo no testes realizados.

Em 10 de julho foram descobertos vestígios de coronavírus na embalagem externa do camarão branco equatoriano de três empresas: Industrial Pesquera Santa Priscila, Empacreci e Edpacif, para as quais a China suspendeu temporariamente suas importações e ordenou a retirada de todas as embalagens deste tipo chegou desde 12 de março.

Posteriormente, as empresas foram novamente autorizadas a retomar as vendas após o aprimoramento dos protocolos de controle.

O Equador alega que os vestígios foram encontrados nas embalagens externas ou nas paredes dos contêineres, de modo que o contágio pode ter qualquer origem, e não exatamente estar relacionado ao manuseio do produto nas indústrias equatorianas.

Leia também: China divulga nota sobre medidas que barraram carne brasileira

Mesmo assim, e para continuar exportando para a China e outros mercados, o Ministério da Produção do país intensificou as medidas de fiscalização em todos os processos de pesca e embalagem.

No dia 13 de agosto, também foram encontrados traços do coronavírus na superfície de um lote de asas de frango congeladas importadas do Brasil na cidade chinesa de Shenzhen, na província de Guangzhou.

O Conteúdo de Notícias do Publicar Artigo é tirado de sites de notícias da internet.

Alguns conteúdos são patrocinados e pagos por empresas que nos procuram para melhorar suas vendas e acessos.

Fale conosco.

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp
01511987618725